Fuga

Pessoas em fuga não são fugitivas. Não pelo menos no sentido metafórico mental em que nos referimos a alguém que não quer encarar seus problemas. Se mudar para outro lugar não é fuga. É coragem. É encontro. É vida. Fugir é ficar sentando no trono de um apartamento esperando a morte chegar. Fugir é achar que a vida não pode ser melhor do que já é. É achar que se tem muito a perder e não vale a pena arriscar.


Fugir parado é a forma mais eficiente de nunca mais ter que encarrar a vida de frente. A cada dia no  mesmo lugar se acumulam coisas, pessoas, sentimentos e poeira, que em grande volume torna árduo o trabalho de ser sacudida. O soterramento emocional é a forma mais eficiente de fuga! Lá no fundo do poço o fugitivo está escondido dos olhares recriminadores da sociedade que vai em frente e, com tanta coisa em cima de seus ombros, o fugitivo já nem consegue mais ver a luz que brilha fora do poço. 


Está aí! Este é o segredo de uma fuga. Ficar no mesmo lugar e se soterrar emocionalmente. Acumular tanta coisa sobre seus ombros até não ter mais forças para ver a luz que brilha fora do poço. Se alguém conseguir pensar em uma melhor receita para uma vida medíocre favor enviar carta para a redação que publicaremos a errata.


Se um dia eu disser que não posso ir com você, saiba que ai sim estarei fugindo. 

Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *